Cristianismo e seitas

Seita, na definição usada por mim aqui, é todo grupo organizado de caráter fechado, conforme uma das possíveis opções do dicionário online Priberam. O Cambridge dá uma definição um pouco mais contundente: grupo religioso, frequentemente vivendo junto, cujas crenças são consideradas radicais ou estranhas por muitos.

Família AmishExistem seitas mais perigosas e prejudiciais, como a igreja de Jim Jones, que culminou com a morte de mais de mil pessoas. E existem seitas menos perigosas, como os Amish. Seitas não precisam ser apelar para a violência física para se tornarem notórias, mas uma característica muito comum é usar a mentira ou a ignorância das vítimas para se propagarem.

Algumas organizações listam características nocivas de grupos que podem ser classificados como seitas, já que a definição é bem subjetiva, e como detectá-las. Eis uma dessas listas:

  1. O grupo exibe zelo excessivo e comprometimento inquestionável ao seu líder (vivo ou morto) e considera seu sistema de crenças, ideologia e práticas como a Verdade, como lei.
  2. Questionamentos, dúvidas, e dissenção são desencorajados ou até punidos.
  3. Práticas de alteração da consciência (como meditação, cânticos, falar em línguas, sessões de denúncia e rotinas de trabalho debilitante) são usadas excessivamente e servem para suprimir dúvidas sobre o grupo e seu(s) líder(es).
  4. A liderança dita, às vezes em grande detalhe, como os membros devem pensar agir e sentir (por exemplo, membros devem obter permissão para namorar, trocar de emprego, casarem-se — ou os líderes ditam que tipo de roupas vestir, onde viver, quando ter filhos, como disciplinar os filhos, e daí em diante).
  5. O grupo é elitista, alegando para si, seu(s) líder(es) e membros um status especial, elevado (por exemplo, o líder é considerado o Messias, um ser especial, um avatar — ou o grupo e/ou o líder está numa missão especial para salvar a humanidade).
  6. O grupo tem uma mentalidade polarizada do tipo “nós contra eles”, que pode causar conflitos com sociedade à sua volta.
  7. O líder não presta contas a qualquer autoridade (diferentemente, por exemplo, de professores, comandantes ou ministros, reverendos, monges e rabinos das denominações religiosas mais populares).
  8. O grupo ensina explícita ou implicitamente que seus supostos fins superiores justificam quaisquer meios que julgue necessários. Isto pode resultar em membros participando de comportamentos ou atividades que considerariam repreensíveis ou antiéticos antes de juntarem-se ao grupo (por exemplo, mentir para família ou amigos, ou coletar dinheiro para caridades falsas).
  9. A liderança induz sentimentos de vergonha e/ou culpa para influenciar e/ou controlar membros. Frequentemente, isto é feito através de pressão social e formas sutis de persuasão.
  10. Subserviência ao líder ou grupo exige que membros cortem laços com família e amigos, e alterem radicalmente os objetivos pessoais e atividades que tinham antes de juntarem-se ao grupo.
  11. O grupo se preocupa em trazer novos membros.
  12. O grupo se preocupa em arrecadar dinheiro.
  13. Espera-se que membros dediquem quantidade incomum de tempo ao grupo e atividades relativas ao grupo.
  14. Membros são encorajados ou exigidos a viver e/ou socializar somente com outros membros do grupo.
  15. Os membros mais leais (os “verdadeiros crentes”) sentem que não podem viver fora do contexto do grupo. Eles crêem que não pode ser de outro jeito, e frequentemente temem represálias a si ou outros se saírem (ou até pensarem em sair) do grupo.

Todas essas características promovem o isolamento social e intelectual da seita, exaltando a obediência acima da dúvida. Tais atitudes permitem que os seus líderes levem o grupo a cometer atos bárbaros como os das seitas mais famosas.

Nas próximas semanas dissecarei cada uma dessas características, comparando-as com práticas de igrejas evangélicas e com princípios bíblicos, para verificar se o cristianismo se parece mais com uma religião inofensiva ou com uma seita. De 0 a 15, contando um ponto para cada característica, qual será a pontuação do cristianismo evangélico?

Anúncios

Sobre Henrique

Casado e com dois filhos lindos como os pais. Meio doido, mas legal.
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

7 respostas para Cristianismo e seitas

  1. Pingback: Cristianismo como seita (1-2) | Prazer, Henrique

  2. Pingback: Cristianismo como seita (4-5) | Prazer, Henrique

  3. Pingback: Cristianismo como seita (6) | Prazer, Henrique

  4. Pingback: Cristianismo como seita (7) | Prazer, Henrique

  5. Pingback: Cristianismo como seita (8) | Prazer, Henrique

  6. Pingback: Cristianismo como seita (9) | Prazer, Henrique

  7. Pingback: Cristianismo como seita (10) | Prazer, Henrique

Quer dizer algo sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s